Veneza a salvo das águas

Veneza, a joia do Adriático, tem sido vítima de inundações durante décadas. Para proteger este patrimônio mundial, 7 de nossas unidades europeias contribuíram com o projeto M.O.S.E. (Modulo Sperimentale Elettromeccanico – módulo experimental eletromecânico), avaliado em € 5,5 bilhões, que consiste na instalação de 78 comportas para proteger a cidade do avanço das águas marítimas.

Maré alta: principal ameaça a Veneza

O pico da maré alta ocorre periodicamente no norte do Mar Adriático. Em 1966, devido a este fenômeno, 80% da área de Veneza foi inundada. A água subiu 1,94 m acima do seu nível normal, causando enormes danos à cidade histórica e deixando milhares de pessoas desabrigadas. As inundações regulares que marcam Veneza pressionaram o governo italiano a encontrar uma solução eficaz.

Inundações regulares marcam a cidade de Veneza.

Inundações regulares marcam a cidade de Veneza.

Em 1984, foi apresentado o projeto M.O.S.E., que indicou como solução a instalação de 78 comportas móveis nas entradas Lido, Malamocco e Chioggia, para isolar temporariamente a Lagoa de Veneza durante as marés altas anuais. No mesmo ano, um protótipo em tamanho real de um portão móvel foi testado.

Ilustração de como devem funcionar os portões de contenção.

Ilustração de como devem funcionar os portões de contenção.

A Lagoa e os desafios a serem vencidos

A Lagoa de Veneza tem 550 km2 de área de superfície e é a maior de todo o Mediterrâneo. Divide-se, a partir do mar, por uma barreira de ilhas. Seu litoral se estende por cerca de 60 km, interrompido pelas entradas de Lido (800 m de largura), Malamocco (400 m de largura) e Chioggia (380 m de largura). Na bacia da lagoa estão as cidades de Veneza e Chioggia, e mais de 50 ilhas, entre elas Murano, Burano e Torcello. Cerca de 40 km2 de sapal (áreas baixas que são cobertas com vegetação halofítica – o equivalente aos manguezais dos países tropicais) e uma rede de 1.500 km de canais asseguram a propagação de correntes de maré. A profundidade da lagoa fica, geralmente, entre 1 m e 3 m.

Obras de construção dos portões do projeto M.O.S.E. em uma das entradas para a Lagoa de Veneza.

Obras de construção dos portões do projeto M.O.S.E. em uma das entradas para a Lagoa de Veneza.

O principal desafio do projeto M.O.S.E. era o de garantir um tempo de vida bem longo para as comportas. Graças ao apoio do nosso setor de pesquisa global de Esch-sur-Alzette, em Luxemburgo, as estacas-pranchas se mostraram a solução mais adequada para o problema de Veneza, pois elas são duráveis, o custo é competitivo e estão em conformidade com os requisitos do projeto.

As diversas soluções em aço

Em 2004, 150.000 toneladas de estacas-prancha e tubos com até 50,3 m de comprimento foram entregues pelas nossas unidades de produtos longos de Belval e Differdange, ambas em Luxemburgo. Estacas-prancha AZ e HZ/AZ foram indicadas por serem a opção mais rápida e de melhor custo para o projeto.

Elas foram usadas para construir as paredes de contenção e dos cais, os diques secos (na construção dos caixões para as fundações) e para proteger as fundações das comportas construídas em cada entrada, que permitem a entrada e saída dos barcos na lagoa quando os portões são levantados.

Estacas-prancha também têm sido utilizadas para estruturas temporárias pois elas podem ser facilmente retiradas e reutilizadas.

Foram entregues ainda 500 tubos de fundação soldados em espiral, produzidos na nossa fábrica de Dintelmond, na Holanda. Os tubos foram entregues em peças únicas com mais de 40 metros cada uma, para suportar os mais elevados requisitos de retenção. Todas as bobinas laminadas a quente especificadas em graus elevados de aço e espessuras acima de 22 mm são provenientes da fábrica de produtos planos de Bremen, na Alemanha.

Soldagem de tubo similar aos utilizados no projeto M.O.S.E

Soldagem de tubo similar aos utilizados no projeto M.O.S.E

Os últimos retoques no projeto

Os portões impressionantes, medindo 20 m de altura, entre 20 e 30 m de largura e com espessura de 5 m, foram testados com sucesso em 2013.

Nossa unidade Ringmill, em Seraing, na Bélgica, entregou 254 anéis, parte essencial do sistema, pois eles ajudam a subir e descer os portões. Os anéis são produzidos a partir de blocos de aço super-F53 duplex, com diâmetro de 500 mm, produzido pela nossa unidade Industeel, em Le Creusot, na França.

Produção de anéis na nossa unidade Ringmill, em Seraing (Bélgica).

Produção de anéis na nossa unidade Ringmill, em Seraing (Bélgica).

 

Até agora, foram entregues 167 unidades de anéis. Mais 87 unidades estão sendo entregues no decorrer deste ano.

O sistema M.O.S.E. entrará em funcionamento ainda em 2016 e promete proteger a cidade de Veneza pelos próximos 100 anos.

Fontes

http://europe.arcelormittal.com/newsandmedia/europenews/euro032016/moseproject

https://www.mosevenezia.eu/?lang=en

1 comentário de “Veneza a salvo das águas

  1. Gloria Landa Romano
    19 de maio de 2017 às 16:34

    Que alegria!!!!!Minha amada cidade de Veneza esta salva das inundaçoes. Meu maior medo era que Veneza desapárecesse por conta dessas inundaçoes. Minha alegria e imensacom este maravilhoso projeto. PARABENS A TODOS.

Deixe um comentário